sexta-feira, janeiro 17, 2014

À Míngua de Tempestade

Agora que se assentam as ondas
Me sobram as conhas
E o silêncio do mar

0 Fragmento(s):

Postar um comentário

Fragmente-se e comente...

 

3/4 © 2008. Thanks to Blogger Templates | Design By: SkinCorner